Grandes hits do rock e pop ganham versões swingueira nas mãos de jovem produtor nordestino


  Recentemente, scrolldando pela linha do tempo do Facebook, me deparo com uma versão swingueira de "Sweet Child O' Mine", do Guns N' Roses. Paro o scroll e dou play na música. Ok, confesso que o gênero não é muito a minha praia, mas é de se reconhecer a riqueza de detalhes e execução da produção, capaz de submeter um mega hit do rock mundial a um gênero tipicamente nordestino sem perder a qualidade, tornando a ouvida pra lá de agradável.
  Bastou um passeio rápido pelo SoundCloud do Home Studio 7 Gravações, onde a música está hospedada, para descobrir que haviam muitas, mas muitas mesmo, outras releituras tão geniais quanto a que me levou até ali. E, por trás de todas elas, apenas uma pessoa: o músico e produtor paraibano Wesley Henriques, de apenas 19 anos, responsável pelos novos arranjos e pela execução dos instrumentais. Isso mesmo, não é mashup, todas as harmônias foram criadas para as novas versões das músicas.
  Além do Guns, outros grandes nomes do rock, como Queen, Bon Jovi, AC/DC, Slipknot, System of a Down, Nirvana e Red Hot Chili Peppers, também foram homenageados pelo músico nordestino em suas respectivas versões em swingueira, forró ou samba. Artistas atuais como Miley Cyrus, Rihanna, Justin Bieber, Pharrell Williams, Adele, e Jason Derulo, também marcaram presença no projeto. Nem mesmo a realeza do pop, Michael Jackson e Madonna, ou o Rei do Reggae, Bob Marley, ficaram de fora.
  Para saber um pouco mais sobre o projeto, entramos em contato com Wesley, que, super receptivo, respondeu a algumas perguntas feitas pelo Bota Pra Tocar!, e você pode conferir nossa mini-entrevista abaixo. Mas primeiro, de mente aberta, aproveite para conhecer um pouco da cultura do Nordeste e divirta-se com as animadas versões já liberadas pelo músico no player a seguir.


Mini-Entrevista com Wesley Henriques

Bota Pra Tocar!: Olá, Wesley! Sinta-se a vontade para se apresentar.

Wesley Henriques: Ola, sou Wesley Henriques, tenho 19 anos e sou de Itaporanga, Paraíba.

BPT!: Como surgiu a ideia de produzir essa releituras?

WH: Na verdade, a ideia de fazer essas mixagens surgiu na minha escola, Adalgiza Teodulo da Fonseca, em 2013, quando a diretora fez uma "mini-radio escolar" e eu e meu colega Hilton Paz comandávamos as musicas... Dai, quando se começava a tocar forró, pessoas que curtiam rock reclamavam que estava tocando forró demais, mesmo que as vezes nem tocasse. Dai, então eu disse: "Ah, se toca forró e rockeiros não gostem, e se toca rock e forrozeiros não gostam, vamos fazer uma mistura e ver no que vai dar". E, desde então, começamos a tocar essas mixagens na radio da escola, e de alguma forma fomos agradando a muitos alunos [risos].

BPT!: Todos os instrumentais presentes nas versões são executados por você?

WH: Sim, aqui eu gravo tudo somente no teclado com ajuda de alguns VSTi's, e as vezes gravo alguns instrumentos reais também.

BPT!: Você já conta com incríveis 30 faixas lançadas. Como escolhe quais serão gravadas?

WH: As musicas antigamente eu escolhia com a ajuda do meu amigo Hilton Paz, que curtia vários rocks internacionais, mas, hoje em dia, devido a grande repercussão da página do meu estúdio, eu escolho as musicas com a ajuda dos fãs e vou fazendo. A medida que faço, mais tem pedidos sendo feitos e isso é o que me motiva a ir mais além e fazer mais e mais trabalhos...

BPT!: Você foi criado em uma região nacionalmente conhecida como o berço do forró, e já tocou em grupos do gênero. Você também é ouvinte das músicas que escolhe gravar, ou grava pela repercussão que podem dar?

WH: Sim, sou ouvinte de algumas, como vários clássicos do rock e pop que existentes no meu SoundCloud, mas outras gravo mais pela repercussão que as musicas podem dar na Internet, por serem mundialmente famosas. A galera sempre gosta de ouvir, algumas pessoas criticam, mas faz parte do trabalho, né? [risos].

BPT!: Atualmente, você toca em alguma banda?

WH: Não toco mais, tinha um grupo que chamava-se "Wesley dos Teclados e Grupo Chamego Bom", no entanto, após a separação dos meus pais, ele acabou, e desde então vivo apenas fazendo mixagens e gravações em meu home studio. Sou louco para poder lançar essas mixagens em forma de CD's e espalhar no ouvido dos artistas donos das musicas, como uma forma de espalhar alegria a cada um dos que ouvirem este trabalho simples, mas feito sem intuito de denegrir a imagem dos artistas, e sim homenageá-los.

BPT!: Você trabalha com outros artistas no Home Studio 7 Gravações, ou é apenas um espaço para sua produções pessoais?

WH: Sim, faço produção de outros artistas/bandas que as vezes vêm meu trabalho circular pela cidade ou mesmo pela net e se interessam em fazer produções ao mesmo nível. Muita gente que vê as mixagens na Internet ate pensam que eu sou DJ, mas não me enquadro nesse titulo simplesmente por falta de equipamentos.

BPT!: Deixe uma mensagem para os nossos leitores:

WH: Ah, eu só gostaria de agradecer pela oportunidade de estar passando essas informações aqui, e dizer que sinto-me agradecido por saber que estou dando esta pequena entrevista e mais ainda, fico feliz em saber que isso dará uma forte repercussão, pois faço esses tipos de mixagem apenas por amor ao que faço, por que gosto de ouvir os resultados finais, obrigado e fiquem todos na paz. Um abraço!

Texto e entrevista por Bruce Silva.
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

1 comentários:

Clique aqui para comentários
Raul Barreto
Administrador
17/12/2016 16:25 ×

O que aconteceu com ele ?

Raul Barreto
Responder
avatar
Obrigado pelo seu comentário